(Foto: Reprodução)

Morena clara, olhos castanhos, cabelo da mesma cor com tamanho até o ombro e levemente encaracolado nas pontas. Essa é a imagem oficial da adolescente que morreu em 1941 e que vai se tornar a primeira pessoa nascida no Ceará reconhecida como beata pelo Vaticano. Os detalhes foram divulgados hoje em entrevista coletiva no Crato.

Apesar de ter morrido há cerca de 81 anos, quando já havia fotografia, o rosto de Benigna teve que ser reconstituído por meio do relato de parentes e com o auxílio de três fotos: do irmão, da irmã e de uma sobrinha.

A tarefa foi executada pelo professor Cícero Moraes, que tem no currículo outras reconstituições, como as de Jesus Cristo e Santa Maria Madalena. A finalização foi feita pelo artista plástico Joab Rocha, que deu cores ao rosto da menina.

“As pessoas simples querem conhecer mais de perto o rosto de Benigna, muito mais pela afetividade do que pela racionalidade”, afirmou o bispo Magnus Henrique Lopes.

Além de promover a aproximação entre a beata e os devotos, o rosto emoldurado vai participar do ápice da cerimônia de beatificação. O quadro será descoberto no dia 24 de outubro, com presença de cardeal, durante a solenidade, que vai ser realizada no parque de exposições Pedro Felício Cavalcanti, diante da certeza de reunir uma multidão.

(Foto: Reprodução)

Brutalmente assassinada aos 13 anos de idade, em 1941, Benigna Cardoso da Silva, nascida em Santana do Cariri, interior do Ceará, é a cearense mais próxima da beatificação. Em 3 de outubro, o Vaticano anunciou que o Papa Francisco reconheceu seu martírio.

Aclamada como a “Heroína da Castidade”, a jovem morreu a golpes de faca por outro adolescente que a assediava, depois de recusar ter relações sexuais com ele. Para a população, a menina “deu a vida para não cometer pecado”. Seu processo foi iniciado em 2011 e, dois anos depois, foi nomeada “Serva de Deus”, pela Igreja Católica. Em outubro deste ano ela será beatificada.

Fonte: Diário do Nordeste

PODCAST MAIS SAÚDE – Transtorno de Ansiedade