As autoridades de Cabul proibiram as mulheres afegãs de entrar nos parques de diversões e nas feiras populares da capital do país, regra que anteriormente já lhes tinha sido condicionado – com horários específicos para que fossem separadas dos homens, mas o regime considerou que as regras impostas foram violadas.

Assim, as mulheres afegãs perderam o acesso aos únicos locais públicos em que ainda eram admitidas.

“Nos últimos 15 meses, tentámos o nosso melhor para organizar e resolver – e até especificámos os dias”, disse Mohammad Akif Sadeq Mohajir, porta-voz do Ministério para a Prevenção do Vício e Promoção da Virtude. “Mas ainda assim, em alguns lugares – na verdade, devemos dizer em muitos lugares – as regras foram violadas”, continuou Sadeq Mohajir à AFP, acusando “uma mistura [de homens e mulheres]” e o desrespeito pelo hijab, levando a esta nova decisão.

A AFP cita uma mulher afegã que se mostrou incomodada com a decisão, acusando: “Não há escola, não há trabalho, pelo menos deveríamos ter um lugar para nos divertirmos”. “Precisamos de um lugar para nos divertirmos, a nossa saúde mental depende disso. Estamos cansadas de ficar em casa o dia todo, cansadas de tudo”, confessou Wahida (nome pelo qual pediu para ser tratada).

A notícia apanhou também de surpresa os proprietários dos parques de diversões, que muito se opuseram à mesma, acusando o golpe que causará nos seus negócios. “Sem mulheres, as crianças não virão sozinhas”, disse Habib Jan Zazaï, administrador adjunto de um parque de diversões em Cabul, citado pela AFP.

 

Fonte: Ango Emprego

PODCAST MAIS ROCK – Novidades de Sheryl Crow, The Killers, Kasabian, Suede e Slipknot