Acostumado a ter o dinheiro contado para o pagamento das contas mensais, o trabalhador que recebe a primeira parcela do 13º salário agora em novembro pode ter a (falsa) sensação de “estar rico”. Antes de sair gastando tudo como se não houvesse amanhã, que tal usar a razão e desembolsar essa grana extra de forma inteligente?

Reinaldo Domingos, presidente da Abefin (Associação Brasileira de Profissionais de Educação Financeira), diz que, como o fim do ano já é uma época de aumento de gastos, por conta das festas de Natal e Ano Novo e, em alguns casos, das viagens de férias, devem-se considerar essas despesas na hora de usar o salário extra. “É preciso olhar para a vida financeira de forma consciente, respeitando o padrão de vida da família”, aconselha.

Domingos, que também é PhD em educação financeira, afirma que 2022 chega ao fim exigindo um cuidado maior com as finanças pessoais. “É importante entender que o 13º salário foi criado para ser uma gratificação de fim de ano, algo a ser recebido pela população como um presente”, diz. Ele conta que muita gente costuma usar o dinheiro extra para quitar pagamentos em atraso, mas que há consumidores que começam novas dívidas, “uma evidência de que gastam mais do que sua renda permite”.

 

Fonte: R7

DIÁLOGO MAIS – A REFORMA LUTERADA DE 31 DE OUTUBRO DE 1517 – EPISÓDIO 1