(Foto: Reprodução)

As semifinais do Campeonato Cearense de 2021 atravessam um impasse na data dos jogos. Apesar da tabela apresentar os dias 19 e 20 de maio como reservados aos duelos de Fortaleza x Atlético-CE e Ferroviário x Ceará, a Federação Cearense de Futebol (FCF) não confirmou as partidas.

Pelo regulamento, Fortaleza e Ferroviário, os melhores colocados na fase de grupos, têm vantagem do mando de campo e podem se classificar à decisão com um empate. Em definição prévia da FCF, a finalíssima está marcada para o próximo domingo (23).

O principal imbróglio envolve o Ceará, que participa também da Copa Sul-Americana. Na quinta-feira (20), o time encara o Bolívar-BOL, às 19h15, na Arena Castelão, pela 5ª rodada do Grupo C. No momento, a equipe lidera o chaveamento – apenas o 1º colocado se classifica à 2ª fase.

FERROVIÁRIO X CEARÁ

Assim, nos bastidores, há um movimento para alterar a suposta data do confronto e evitar o desgaste físico do elenco às vésperas de um jogo decisivo. Em coletiva, o técnico Guto Ferreira afirmou que o clube estava sendo penalizado por disputar as principais competições do calendário.

“Está privilegiando quem não está jogando grandes competições. Então, pro Ceará, se for colocar na balança o Campeonato Cearense, ele teria que abdicar totalmente, pois ele está jogando uma competição Sul-Americana, levando o nome do Estado, da Federação, para toda a América do Sul e do mundo, e está sendo penalizado dentro de casa por isso, por falta de datas”. GUTO FERREIRA, Técnico do Ceará.

Em contrapartida, o presidente do Ferroviário, Newton Filho, utilizou as redes sociais e pediu que a tabela seja cumprida. Assim, a gestão coral compreende que o jogo deve ocorrer na quarta-feira (19), às 15h30, no estádio Elzir Cabral, na Barra do Ceará.

A expectativa é que os detalhes das semifinais sejam definidos nesta terça-feira (18), com datas, locais e horários apresentados. O objetivo da FCF é finalizar a competição antes do início da Série A do Campeonato Brasileiro, previsto para o fim de maio.

Fonte: Diário do Nordeste