Enquanto a maior aliança política do Estado permanece sob ameaça de rompimento no cenário de definição do nome que concorrerá ao Governo do Ceará, prefeitos e vice-prefeitos do PT e PDT governam 14 cidades cearenses.

O quadro da sucessão estadual ainda indefinido mantém os acordos em aberto, mas sob a ótica de especialistas e também dos gestores, uma possível separação entre os dois partidos não deve mudar imediatamente a composição da política das gestões no interior.

No atual contexto de disputa pela escolha de quem concorrerá, enquanto o prefeito de Fortaleza, José Sarto, e vereadores fazem movimentações em defesa de Roberto Cláudio, deputados estaduais e prefeitos de outras cidades cearenses têm manifestam a preferência pela pré-candidatura de Izolda Cela.

Aliados a nível estadual e formando maioria na base do Governo, as siglas compõem a primeira e segunda maior bancada na Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE). Enquanto o PDT tem 14 deputados, o PT conta com 7 parlamentares.

De acordo com análise, essa composição e a relação dentro do Parlamento Estadual deverá ser o cenário mais afetado, caso haja rompimento.

entrave entre PT e PDT ocorre ainda às vésperas das Eleições 2022. De um lado, os principais agentes petistas pressionam para que a governadora Izolda Cela (PDT) seja a candidata à reeleição, e de outro, a cúpula pedetista prefere que o indicado seja o ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

 

O impasse gera, além do desgaste, uma perspectiva de que, caso não haja um acordo, os dois partidos poderão concorrer já no primeiro turno. O deputado federal e vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, chegou a declarar que caso a escolhida não seja Izolda o partido lançará candidato próprio.

 

A possibilidade de rompimento da aliança estadual, no entanto, não deve interferir necessariamente de forma imediata e direta na relação entre prefeitos e vice-prefeitos que governam o interior do Ceará.

Enquanto a maior aliança política do Estado permanece sob ameaça de rompimento no cenário de definição do nome que concorrerá ao Governo do Ceará, prefeitos e vice-prefeitos do PT e PDT governam 14 cidades cearenses.

O quadro da sucessão estadual ainda indefinido mantém os acordos em aberto, mas sob a ótica de especialistas e também dos gestores, uma possível separação entre os dois partidos não deve mudar imediatamente a composição da política das gestões no interior.

No atual contexto de disputa pela escolha de quem concorrerá, enquanto o prefeito de Fortaleza, José Sarto, e vereadores fazem movimentações em defesa de Roberto Cláudio, deputados estaduais e prefeitos de outras cidades cearenses têm manifestam a preferência pela pré-candidatura de Izolda Cela.

Aliados a nível estadual e formando maioria na base do Governo, as siglas compõem a primeira e segunda maior bancada na Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE). Enquanto o PDT tem 14 deputados, o PT conta com 7 parlamentares.

De acordo com análise, essa composição e a relação dentro do Parlamento Estadual deverá ser o cenário mais afetado, caso haja rompimento.

O entrave entre PT e PDT ocorre ainda às vésperas das Eleições 2022. De um lado, os principais agentes petistas pressionam para que a governadora Izolda Cela (PDT) seja a candidata à reeleição, e de outro, a cúpula pedetista prefere que o indicado seja o ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

O impasse gera, além do desgaste, uma perspectiva de que, caso não haja um acordo, os dois partidos poderão concorrer já no primeiro turno. O deputado federal e vice-presidente nacional do PT, José Guimarães, chegou a declarar que caso a escolhida não seja Izolda o partido lançará candidato próprio.
A possibilidade de rompimento da aliança estadual, no entanto, não deve interferir necessariamente de forma imediata e direta na relação entre prefeitos e vice-prefeitos que governam o interior do Ceará.

Fonte: Diário Do Nordeste