A Polícia Federal cumpre, na manhã desta terça-feira (23), mandados de busca e apreensão em imóveis de oito empresários que compartilharam no WhatsApp mensagens em defesa de um golpe de Estado no Brasil. Os alvos são de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Ceará, cujo investigado é Afrânio Barreira Filho, do restaurante Coco Bambu.

Os mandados foram determinados pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que também incluiu o bloqueio das contas bancárias dos empresários, bloqueio das contas nas redes sociais, tomada de depoimentos e quebra de sigilo bancário.

Antes disso, advogados e entidades já haviam solicitado que os empresários fossem investigados no âmbito do inquérito das milícias digitais. Isso porque, segundo o portal Metrópoles, empresários apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) passaram a defender um golpe de Estado caso Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, vença as eleições deste ano.

QUEM SÃO OS EMPRESÁRIOS ALVOS DA PF
Além de Afrânio Barreira Filho, do grupo Coco Bambu, outros supostos integrantes do grupo são

Luciano Hang (dono da Havan);
Ivan Wrobel (da construtora W3 Engenharia);
Marco Aurélio Raymundo, o “Morongo” (dono da marca de surfwear Mormaii);
José Isaac Peres (dono da gigante de shoppings Multiplan)
José Koury (dono do Barra World Shopping, no Rio de Janeiro).
Também são citados Luiz André Tissot e Meyer Joseph Nigri.

O mandado contra o empresário cearense está sendo cumprido na Rua Osvaldo Cruz, no bairro Meireles, em Fortaleza, onde Afrânio Barreira mora. Ao Diário do Nordeste, o advogado dele informou que irá se posicionar sobre o caso por meio de nota.

Formado em Engenharia, Afrânio Barreira é dono da rede de restaurantes a la carte Coco Bambu. O empresário já atuou na mesma área em que é graduado, em lava-jato e pastelaria.

Fonte: Diário do Nordeste