A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, afirmou ontem, após almoço com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que o arcabouço fiscal a ser apresentado pelo governo vai “agradar a todos, inclusive ao mercado”. Segundo ela, o texto atende aos dois lados. “Do lado da preocupação de zerar o déficit fiscal do Brasil, a preocupação de estabilizar a dívida/PIB, mas atendendo à determinação do presidente da República: não podemos descuidar dos investimentos necessários para o Brasil voltar a crescer”, disse.

O líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou, após reunião no Palácio do Planalto com Lula e vários ministros, entre eles Haddad, que a proposta será apresentada ao presidente no dia 15. Haddad já havia indicado a intenção de tornar público o novo modelo antes da próxima reunião do Copom, nos dias 21 e 22. A expectativa é de que o comitê veja o novo arcabouço como uma segurança para começar o processo de redução da taxa básica de juros.