O ministro da Justiça, Anderson Torres, mandou a Polícia Federal investigar imagens e vídeos divulgados pelo próprio Jair Bolsonaro com gravações simulando um atentado contra ele. A Rede Globo, a quem o presidente atribuiu a produção, disse se tratar do filme A Fúria, do cineasta Ruy Guerra, do qual o Canal Brasil tem 3,61% de participação. Nas fotos, um homem representando Bolsonaro aparece morto no chão com uma flecha no pescoço durante uma motociata.

Cineasta desmente ‘ensaio de atentado’ propagado por bolsonaristas

“Ruy Guerra filmou um longa-metragem de ficção que será lançado no final de 2023, portanto não há qualquer relação com o processo eleitoral e, muito menos, forjar fake news simulando um fato real”, diz a nota divulgada.

“O fato ilegal neste caso é a divulgação de uma cena retirada do contexto da história que será contada”, ressalta o comunicado.