(Foto: Reprodução)

Quase todas as noites, César e sua esposa saem de seu apartamento devido ao forte cheiro de gás que parte de um enorme cemitério de botijões na Cidade do México.

Além de afetar a qualidade de vida, eles temem que o gás liquefeito de petróleo (GLP, para uso doméstico) que escapa dos botijões cause uma explosão ou os deixe doentes.

“O cheiro é tão forte à noite, tão insuportável, que parece que o fogão não está bem fechado”, diz César Rivera, de 37 anos, à AFP.

Imagens aéreas da AFP mostram milhares de antigos botijões multicoloridos acumulados no pátio de uma antiga refinaria da estatal Pemex, cercada por bairros populares da zona oeste da capital.

Os botijões, com capacidade de 20 a 30 quilos e hoje expostos a altas temperaturas, acentuam a imagem de abandono da usina 18 de Marzo, que não é usada desde 1991.

Fonte: G1