As motos poderão vir de fábrica com sistemas ABS ou CBS, dependendo se possuirem até 300 cc ou mais de 300 cc ARQUIVO

As motos poderão vir de fábrica com sistemas ABS ou CBS, dependendo se possuirem até 300 cc ou mais de 300 cc ARQUIVO
As motos poderão vir de fábrica com sistemas ABS ou CBS, dependendo se possuirem até 300 cc ou mais de 300 cc ARQUIVO

Em uma resolução publicada nesta terça-feira (9), O Conselho Nacional de Trânsito determinou que todas as motos deverão sair de fábrica com sistemas auxiliares de frenagem até o ano de 2019. A medida prevê que já a partir de 2016 os equipamentos serão obrigatórios em 10% das motocicletas novas, em 2017 serão obrigatórios em 30%, em 2018 em 60%, e no ano de 2019 serão exigidos em 100%. No entanto,  ela só passará a valer obrigatoriamente a partir de 2016.

São dois os principais sistemas de auxílio na frenagem a serem exigidos: freios ABS e CBS. As motos novas que possuem menos de 300 cc, poderão ser equipadas com o ABS, sistema de frenagem comum em carros e que evita o travamento das rodas do veículo, ou com o CBS, que divide proporcionalmente a força da frenagem entre as duas rodas da motocicleta, proporcionando uma desaceleração rápida e segura.

Para as motos com mais de 300 cc não há escolha: elas terão que ser equipadas obrigatoriamente com o ABS.

Apesar disso, as exigências não valem para veículos de uso exclusivo fora de estrada, veículos militares, artesanais e cicloelétricos com potência até 4 kW e que não ultrapassem a velocidade de 50 km/h.

O que são freios ABS e CBS?

O sistema ABS, sigla para “Anti-lock Braking System”,  que já é obrigatório  para carros desde janeiro deste ano, impede o travamento de rodas em uma frenagem brusca. Assim, nas motocicletas permite que mesmo com uma freada forte a roda traseira não levante.

Diferente do ABS, o “Combined Braking System” (CBS) permite que a motocicleta reparta a força entre as duas rodas do veículo.

 

Fonte: Diário do Nordeste