Maré alta, ‘correntes de retorno’ e maior fluxo de turistas elevam número de afogamentos na Praia do Futuro

(Foto: Reprodução)

O Corpo de Bombeiros registrou um aumento no número de resgate de pessoas afogadas na Praia do Futuro, um dos pontos mais visitados de Fortaleza. A alta na maré ocorrida nos últimos dias, o maior fluxo de turistas na praia e as correntes de retorno (a força que puxa água da costa para o mar) explicam o crescimento nas ocorrências desse tipo. No feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida, em outubro, foram 14 operações de salvamento.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, entre sexta-feira (26) e domingo (28), o órgão salvou 29 pessoas na Praia do Futuro: 20 cearenses e nove turistas de outros estados (Minas Gerais, Pernambuco e Goiás). Não houve mortes por afogamento na região nos últimos meses.

Anúncio

“Há muitos fatores dentre eles a própria Praia do Futuro, que é conhecida por apresentar muitos canais, muitas correntes de retorno e uma praia muito mexida. E neste período agora nós tivemos também um período de lua cheia onde a maré se torna maior, então essa energia faz com que aumente a força dessas correntes de retorno”, o major Chailon Fonteles, da 1ª Companhia de Salvamento Marítimo do Batalhão de Busca e Salvamento.

“O canal tem uma aparência tranquila, quase sem ondas, isso devido à sua maior profundidade, o que termina sendo um atrativo para os frequentadores. A recomendação é evitar o local, por isso é feito a sinalização com as bandeiras vermelhas. Caso seja atraído por uma corrente de retorno, procure manter-se tranquilo e nadar de modo paralelo à praia até o banco de areia”, recomenda.

Ainda conforme o major, com a redução dos casos de Covid e flexibilização da economia, houve aumento no número de visitantes na praia, o que impactou nos casos de afogamento.

Orientações

As pessoas precisam estar atentas às “correntes de retorno”, que é um canal que cria uma falsa aparência de tranquilidade e praticamente sem ondas. Isso ocorre devido à profundidade do local. Sempre que há pontos com esse tipo de fenômeno, o Corpo de Bombeiros coloca uma placa indicando os banhistas sobre os riscos. É importante que a população obedeça à sinalização para evitar afogamentos e outros acidentes;
Como orientado anteriormente pelo 1º tenente Gerdean, é importante que as pessoas que estejam ingerindo bebida alcoólica não entrem no mar;
É importante ainda que os banhistas sempre observem se existe alguma equipe de guarda-vidas próxima ao local. Em casa de afogamento ou outros incidentes, o atendimento realizado por esses profissionais fará toda a diferença;
Procure informações sobre o local, profundidade, correnteza e nunca deixe crianças desacompanhadas;
Os postos de guarda-vidas possuem pulseiras para crianças. O pequeno apetrecho servirá para localizar os pais ou responsáveis caso os pequenos venham a se perder;

Fonte: G1 CE