Em quase três anos de pandemia, o Ceará já passou por cinco ondas da Covid-19 — três delas em 2022. Períodos nos quais houve aumento da circulação do vírus e, consequentemente, dos casos confirmados. Contudo, a partir do terceiro ciclo de contaminação, no início deste ano, o impacto nas internações foi menor. Houve queda de mais de 90% entre a quinta e a segunda ondas. Mudança é relacionada principalmente à vacinação no Estado, avalia o médico sanitarista e gestor em saúde Álvaro Madeira Neto.

No Hospital Estadual Leonardo da Vinci (Helv), unidade que foi referência no tratamento da doença no Estado e com maior oferta de leitos exclusivos para esta demanda, houve queda de 94,4% entre a segunda e a quinta ondas. A segunda, impulsionada pela variante Delta, foi registrada entre março e junho de 2021.

No período, conforme a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), o Helv teve taxas de ocupação entre 95% e 100% para os 179 leitos Covid disponíveis. “Nesta quinta onda, entre 17 de novembro e 21 de dezembro de 2022, o Helv teve ocupação média de dez pacientes positivados internados por dia”, comparou a pasta.

No Hospital Unimed Fortaleza, unidade que tinha a segunda maior oferta de leitos Covid no Ceará — maior na rede particular —, a segunda onda registrou 3.377 internações por Covid, ao todo. A Rede Unimed considerou o período entre 16 de janeiro a 16 junho de 2021.

No mais recente ciclo, entre 14 de novembro a 21 de dezembro de 2022, foram 127 internações de pacientes diagnosticados com a infecção. Uma redução de 96,2%.

Fonte: O Povo