(Foto: Reprodução)

Tecnologia inova cada vez mais nos processos de manufatura.

A manufatura aditiva “impressão 3D” é um dos processos que mais evoluem nas mais diversas áreas que envolvem fabricação de produtos. De peças para o setor aeroespacial a órgãos humanos, a impressão 3D é uma realidade tecnológica que demanda de profissionais das engenharias uma mão de obra cada vez mais especializada.

“Diversas marcas de fabricantes no Ceará vem trabalhando com impressão 3D e necessitam de especialistas para fazer o gerenciamento do setor”, destaca Nelson Bezerra Ferreira Junior, professor dos cursos Engenharia Mecânica e Engenharia de Controle e Automação da Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

Como processo de manufatura, a impressão 3D é uma tecnologia promissora em diversas áreas, pois oferece flexibilidade na capacidade de fabricar uma grande diversidade de peças, seja por sua geometria complexa ou material empregado na sua confecção. “Hoje a General Electric trabalha no desenvolvimento de Grupo Motopropulsor para aeronaves comerciais 100% fabricado com peças impressas em impressoras 3D, além da fabricação de motores para foguetes impressos em titânio que ficam prontos para montagem nos foguetes em aproximadamente 36 horas de fabricação”, exemplifica Nelson Bezerra.

Além da flexibilidade de fabricação de peças, a competitividade do processo é uma das maiores vantagens da impressão 3D. “Imagine que você tem um caça (como o Griphen BR) todo fabricado com peças impressas em 3D. Se eu for operar estas unidades em uma base aérea num local remoto do País, precisarei dar manutenção e manter um setor logístico com peças de reposição nesta base. Isso representa um esforço logístico enorme para manter o equipamento em operação de maneira convencional. Se podemos imprimir tudo, não precisarei ter todas as peças disponíveis, basta ter a impressora e a matéria prima (que pode ser empregada para uma infinidade de peças) e imprimir quando for necessário, minimizando o esforço logístico da operação”, ilustra o professor.

OPORTUNIDADES NO CEARÁ
Como observa o professor de engenharia, no Ceará, algumas empresas industriais já trabalham com impressoras para fabricação de peças e componentes de seus produtos, inclusive com setores específicos para impressão. “Temos ex-alunos da Universidade que supervisionam o setor de 3D de algumas empresas, fornecendo os componentes de peças para equipamentos da indústria”, destaca.

Para Nelson, a área de desenvolvimento de novos produtos e prototipagem são promissoras para os engenheiros mecânicos, principalmente no desenvolvimento de produtos de alto valor agregado, o que representa uma possibilidade margem de lucro maior. “É interessante para quem quer empreender no setor, porque vai desenvolver produtos com alto valor agregado e maior possibilidade de margem. Isso é promissor para um engenheiro que quer trabalhar com impressão 3D”, analisa.

Além do setor industrial, na Odontologia também há oportunidades para engenheiros mecânicos atuarem. “O desenvolvimento de próteses impressas em 3D já é uma realidade. Os profissionais de engenharia mecânica desenvolvem a prototipagem a partir da imagem de Raio X. Com a impressora 3D, o processo se torna mais competitivo, mais preciso e com menos falhas no desenvolvimento desses protótipos”.

CURSO
No curso de Engenharia Mecânica da Unifor, o aluno aprende como cada etapa de manufatura aditiva se desenvolve, conhece as principais máquinas que existem no mercado, como são fabricadas, como realizar todos os dimensionamentos para projetar e operacionalizar uma impressora 3D.

“O estudante vai entender como a impressora funciona, vai saber dimensionar e projetar uma máquina, fabricar e desenvolver o equipamento, além de operar qualquer equipamento dominando os fundamentos técnicos da impressora e saber especificar tecnicamente a compra de um equipamento para as necessidades do negócio”, finaliza Nelson Bezerra.

Saiba mais em:

https://www.unifor.br/web/graduacao/engenharia-mecanica

Fonte: Diário do Nordeste