Professor Marcelo Braga
Amigo leitor, especialmente hoje, pedir-lhe-ei a permissão para utilizar o espaço da nossa coluna Esclarecendo o Idioma para externar a minha preocupação quanto aos critérios de correção da redação do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e quanto ao número de vestibulandos os quais obtiveram a nota máxima de 1000 pontos.

Segundo INEP, foram corrigidos 5.049.248 textos. Destes, apenas 481 redações obtiveram a nota máxima de 1000 pontos. Diante disso, algumas indagações são pertinentes. Será que o nível do alunado brasileiro é tão baixo assim? Será que os critérios de correção estão realmente adequados? Para a primeira indagação, a resposta é simples: precisamos melhorar a capacitação do nosso aluno, incentivando-o à leitura. Para a segunda indagação, a resposta é mais complexa. Deve haver um entendimento dos critérios de correção e uma melhor preparação dos corretores.

Não basta apenas reuni-los em um espaço e dizer, em forma de grupos, como devem proceder nas correções. É importante esclarecer os critérios adotados pela instituição e não permitir, por mais tênue que seja o entendimento de um nível a outro nas competências apresentadas, a prevalência da subjetividade.

A instituição deve também entender que se as notas divergem, não se deve somar as duas e dividir por dois, porquanto prejudicará o candidato. Se um corretor oferece 200 pontos em uma determinada competência a um candidato e outro oferece 160 pontos, a coerência é a manutenção dos 200 pontos e não a soma da pontuação total e a divisão por dois, sendo estabelecida a nota 180 pontos. Ao proceder dessa forma, fica clara a ideia da subjetividade e da possível acomodação sem que haja a preocupação com o prejuízo ao candidato. Se isso ocorre em duas competências, o candidato a uma vaga em um curso muito concorrido certamente ficará fora. E isso ocorreu no ano de 2013.

É mister que se revejam as competências apresentadas e os níveis de cada uma delas com o fito de reformulá-las, se preciso for. Dessa forma, haverá uma melhor lisura no processo de correção das redações. Além disso, buscar selecionar adequadamente os corretores para que disparidades, acima do normal, não acontecem.

O ideal seria exigir dos candidatos o atendimento à Elegância Textual. Dever-se-iam analisar aspectos como capacidade argumentativa, fundamentação teórica bem embasada, progressão temática, sequência lógica de pensamento, articulação adequada dos períodos e real objetivo do texto. Estes seriam os aspectos ideais a serem analisados em um texto.

Dessa forma, não teríamos um texto, cuja estrutura se apresenta engessada e sem perspectiva de uma boa produção. O objetivo da escrita é oferecer condições ao estudante para que possa externar o seu conhecimento.

Fonte: CEARA AGORA