Cumprindo uma ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes, uma operação conjunta da PF do DF e do Exército desmontou o acampamento de golpistas montado havia mais dois meses em frente ao QG da Arma. Ações semelhantes aconteceram em pelo menos 23 estados. As cerca de 1.200 pessoas que estavam acampadas foram levadas para a Academia da PF, tiveram as impressões digitais colhidas e devem ser indiciadas por crimes como terrorismo e atentado contra a democracia. O governo de Goiás ofereceu 270 vagas em suas prisões para receber parte dos detidos em Brasília.

Aflição de alguns, lucro de outros. Advogados correram para a Academia da PF para oferecer seus serviços aos presos por honorários que começam em R$ 1 mil para acompanhamento da audiência de custódia.