Foto: Divulgação
Oito estados concentram quase 85% dos casos, puxados pelo Mato Grosso do Sul, com 42 mil registros. Cinco estados registram epidemia.

O Brasil já registrou, este ano, quase o triplo de casos de dengue em comparação ao de 2012. Até o dia 16 deste mês, 204,7 mil ocorrências foram identificadas, frente a 70,5 mil notificações constatadas no mesmo período no ano passado, segundo balanço divulgado ontem pelo Ministério da Saúde, em Brasília. Oito estados concentram quase 85% dos casos, puxados pelo Mato Grosso do Sul, com 42 mil registros. O risco da dengue nesse Estado é quase 15 vezes maior que o índice nacional. Os dados indicam a ocorrência de epidemia em Mato Grosso do Sul e outros quatro estados: Tocantins, Mato Grosso, Acre e Goiás. 

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa, observa duas razões que explicam o aumento no número de notificações: A chegada do subtipo quatro do vírus da dengue a locais onde ele não tinha forte circulação e, assim, encontrou agora a população vulnerável a ele; e Uma alta infestação de mosquitos, que sustenta a transmissão da doença.

Segundo Barbosa, estados e municípios não devem agir apenas baseados no conceito de epidemia a partir da incidência de 300 casos por 100 mil habitantes, que classifica os cinco estados como em epidemia. “Qualquer aumento de transmissão deve ser considerado como surto”, disse. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, fez dois alertas, um para a região Sudeste, que concentra parte importante da população, e outro para o Nordeste, que concentra quase metade das cidades em situação de alerta. “Nós temos, sim, epidemia em alguns estados e municípios do País. Qualquer Estado ou município que ainda não está classificado como em epidemia não pode reduzir as medidas de combate. O maior número de transmissões é até maio”, esclareceu. Dos 983 municípios analisados, 267 apresentaram infestação por larvas do mosquito que indicam risco para epidemia. Outros 478 estão em situação de alerta, e 238 apresentaram situação satisfatória. Das agências de notícias.