Gilberto, Raquel, Ednara, Karen, George, Weynisson e Jeylson foram aprovados em universidades – (Foto Thiedo Henrique/Assessoria)

O programa de bolsas de estudos do Rotary Club de Iguatu deu novo salto na transformação de vidas dos bolsistas que compõem o projeto. Sete alunos que concluíram o ensino médio tiveram aprovação nas universidades e ingressarão na comunidade acadêmica buscando por meio dos estudos a consolidação nas mais variadas carreiras profissionais. O projeto desenvolvido há três anos chegou a oportunizar 15 alunos a chance de estudar na rede privada de ensino da cidade.

Dentre os aprovados estão Gilberto Rodrigues, que obteve 1° lugar na FJN -Sistema de Informação; e 4°lugar na UFC em Engenharia de Software, Raquel Inaliv Lopes (Arquitetura e Urbanismo na Ufersa), Ednara Tavares (Administração na UFCA), Conceição Karen (Direito na UFPB de João Pessoa), George Harrison (Ciência da Computação na UFC), Weynisson Félix (Engenharia Química na UFCG e Engenharia Civil na Unifor) e Jeylson Soares (Sistema de Informação no IFCE- Cedro).

Presidente do Rotary Club de Iguatu, Marcos Ageu comemorou a mais nova fase de vida vivenciada pelos sete alunos. “Há três anos o Rotary Club de Iguatu iniciou um projeto ousado, oferecendo bolsas de estudo, em parceria com os colégios parceiros, para alunos oriundos do nono ano de escolas públicas. O objetivo era claro: transformar vidas a partir da Educação e estamos conseguindo. Agradecemos a todos que contribuíram para a mudança na vida desses jovens e suas famílias”, disse.

O programa teve início com então presidente no ano rotário (2015/2016), Paulo de Tarso Bezerra, que comemorou a proporção do atual tamanho do projeto. “É assim que o Rotary transforma vidas. Usando a ferramenta da educação estamos tendo a oportunidade de construir o futuro desses jovens. Um dia eles [bolsistas] serão gratos e farão o seu melhor ao próximo. Fazer o bem é algo contagiante”, pontou.

Divisor de águas

A relação dos alunos com o Rotary se estreitou ainda mais com a instituição. Muitos deles ingressaram no Rotaract e Interact. Jeylson Soares chegou a presidir a entidade que move jovens adolescentes a promover causas sociais. “Participar do programa de bolsa de estudos foi uma grande oportunidade, que me proporcionou uma série de novos acontecimentos que mudaram a minha forma de ver e de pensar. Durante a minha trajetória nas instituições particulares descobri um universo de pessoas magníficas que me ajudaram a crescer, e a superar as dificuldades de uma forma positiva. Confesso que esses anos não foram nada fáceis, o processo de adaptação foi lento e os transtornos diários. Mas hoje estou a ingressar em um curso de nível superior no ramo da tecnologia, sendo o primeiro da família a buscar um certificado de bacharel”, contou.

Hoje, 10 dos bolsistas são interactianos, entre eles Conceição Karen. Ela tratou a oportunidade de melhorar seus estudos e o ingresso ao clube como divisor de águas.  “Ser contemplada com uma bolsa escolar foi o melhor que me aconteceu nos 3 anos. Graças ao Rotary e às escolas parceiras, minha vida e a dos meus pais ganhou uma nova perspectiva. Posso dizer que esse programa estudantil é o projeto mais inovador e duradouro do clube, uma vez que aquele terá seus efeitos repercutidos por muitos anos na sociedade”, ressaltou. Provenientes da rede pública de ensino municipal os estudantes por meio de seleção que vem sendo realizada anualmente no mês de agosto pelo Rotary, ingressaram na escola Modelo de Iguatu e colégio Polos. As instituições parceiras desde o início cedem as bolsas e a entidade de serviços custeia o material escolar e fardame