Na terça-feira (17), o Move Ceará veio a Iguatu, para debater as estratégias prioritárias para o desenvolvimento econômico local. O projeto da Assembleia Legislativa do Ceará e da plataforma TrendsCE reúne representantes dos treze municípios da região para ouvir as demandas dos setores produtivos de Agronegócio e Agricultura Familiar, Comércio e Saúde. O encontro aconteceu no auditório da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Iguatu.

O centro-sul ocupa uma área de cerca de 11 mil quilômetros quadrados de extensão no Estado, com quase 400 mil habitantes, segundo dados do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) de 2017. Acopiara, Baixio, Cariús, Catarina, Cedro, Icó, Iguatu, Ipaumirim, Jucás, Orós, Quixelô, Saboeiro e Umari são os municípios que compõem a macrorregião, que reúne grande diversidade de vocações econômicas.

Iguatu e Icó se destacam economicamente na região de planejamento. Iguatu (77%) e Orós (75%) têm maioria da população urbana, enquanto Acopiara (49%), Icó (46%), Catarina (46%), Cariús (44%) e Quixelô (32%) são municípios eminentemente rurais, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Principal cidade do Centro-Sul, Iguatu tem PIB de cerca de R$ 1,6 bilhão e ocupa o 11º do ranking de participação no PIB estadual, de acordo com dados do IBGE de 2019. O município tem grande potencial do setor de comércio atacadista. A macrorregião, que participa com 2,56% do PIB total do Ceará, também se destaca pela capacidade produtiva na agropecuária e pela expressiva bacia leiteira.

A agropecuária e a agricultura familiar são as vocações econômicas de maior evidência na macrorregião. Em 2019, Iguatu ocupava o sexto lugar no ranking entre os municípios cearenses com maior participação na agropecuária.

PODCAST MAIS SAÚDE – Edição de 19 de março, com Paulinho Neto