Morreu ontem à noite nos EUA, aos 81 anos, o cantor, guitarrista e compositor David Crosby (Spotify), fundador dos Byrds e do Crosby, Stills, Nash & (depois) Young e um dos mais importantes artistas da geração que, pelo lado americano, revolucionou o rock e o folk a partir dos anos 1960. Nascido em Los Angeles, ele começou a carreira em 1964 com o grupo de folk-rock The Byrds, e, três anos depois, juntou forças com os amigos Graham Nash e Stephen Stills no trio que levava seus nomes.

Com um disco homônimo lançado, eles se apresentaram em Woodstock (YouTube), de onde saíram quarteto, com a entrada do canadense Neil Young. Apesar do grande sucesso comercial, as brigas e os excessos acabaram com a “rua de quatro mãos”, como eram conhecidos. Entre 1971 e 2001, Crosby lançou sete álbuns solo, além de várias idas e vindas com os três parceiros.

Politicamente ativo, protestou contra a guerra do Vietnã, a proibição da maconha e vários outros temas e fez em 2016 e 2020 campanha para o independente Bernie Sanders. Manteve-se ativo tanto nos palcos quanto nas redes sociais. Em abril do ano passado, anunciou que estava se aposentando dos shows, mas, em dezembro, tuitou que pensava em tocar ao vivo de novo. Infelizmente não deu.

 

PODCAST MAIS ROCK – Novidades de Sheryl Crow, The Killers, Kasabian, Suede e Slipknot