Ceará

Em 10 anos, açude Castanhão ultrapassa 30% da capacidade pelo segundo ano seguido, no Ceará

Published

on

O Castanhão, o maior reservatório do Brasil, localizado no Vale do Jaguaribe, no Ceará, superou 30% de sua capacidade de armazenamento. Esta é a primeira vez em uma década que o reservatório atinge esse nível por dois anos consecutivos, de acordo com a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).

No ano passado, o reservatório estava exatamente com 30% de seu volume. Em 2023, foi a primeira vez que o reservatório ultrapassou essa marca desde 2014. Durante todo o ano de 2014, a capacidade variou entre 39% (janeiro) e 26% (dezembro). Desde então, só atingiu os 30% no ano passado.

O reservatório tem a capacidade de acumular 6,7 bilhões de metros cúbicos (m³) de água.

O pior momento do Açude Castanhão foi em 22 de fevereiro de 2018, quando estava com volume morto. Seu volume na época estava apenas 2,08%.

O volume morto, também conhecido como reserva técnica, é a água que fica abaixo do nível de captação dos reservatórios, que não foi programada para ser usada no dia a dia e funciona como uma “poupança” em caso de emergência. Não há uma separação física entre a água do volume morto e a água do volume útil. É a mesma água, apenas em um nível mais profundo.

De acordo com dados do Ministério da Integração Nacional, o Castanhão é o maior reservatório público do país para múltiplos usos. Concluído em 2003, sua barragem está localizada no município de Alto Santo e constitui uma importante reserva estratégica de água. É utilizado para irrigação, abastecimento urbano, piscicultura e regularização da vazão do Rio Jaguaribe.

Atualmente, o Ceará tem 64 açudes transbordando. Apenas no último final de semana, sete açudes registraram sangria, incluindo o Açude Benguê, em Aiuaba, que não transbordava há 13 anos.

Segundo a Cogerh, além do Açude Benguê, os açudes Olho d’Água, Cachoeira, Santo Antônio de Russas e Ubaldinho transbordaram neste fim de semana. Já o Maranguapinho, na Região Metropolitana de Fortaleza, e Riacho do Sangue, Solonópole, atingiram o ponto de sangria nesta segunda-feira (15).

Com um volume total de mais de 9,5 bilhões de metros cúbicos nos reservatórios, o número de açudes vertendo em 2024 já supera o registrado no ano anterior se comparado a esta mesma data. Atualmente, além dos 64 açudes gerenciados pela Cogerh que estão vertendo, 14 reservatórios operam com mais de 90% de sua capacidade total.

Outras bacias hidrográficas da região norte mantêm excelente nível volumétrico, com o Coreaú em 98%, o Acaraú em 95% e o Litoral com 100% da capacidade total acumulada.

Apesar desses avanços, a realidade na bacia hidrográfica dos Sertões de Crateús contrasta com menos de 23% de sua capacidade hídrica acumulada.

Outros 26 reservatórios do Ceará apresentam volumes abaixo de 30% de sua capacidade, “destacando os desafios persistentes impostos pelo clima semiárido da região, com chuvas distribuídas de forma irregular no tempo e espaço”, conforme destacou Tércio Tavares, diretor de Operações da Cogerh.

Leia também

Terminal Intermodal e Porto Seco: Iguatu Mantém Esperanças e Corre Contra o Tempo

EM ALTA

Sair da versão mobile