Uma das maiores lutadoras do MMA, Cristiane Cyborg, se mostrou revoltada com os vídeos em que Pamella Holanda aparece sendo brutalmente agredida pelo ex-marido, o Dj Ivis. Em defesa da digital influencer, Cris Cyborg, como é conhecida, fez uma postagem nesta terça-feira (13) nas redes sociais em que desafia Ivis para uma luta.

“Cyborg x DJ Ivis. Estamos apenas esperando o valentão assinar o contrato. Entre para a nação que não aceita violência contra mulher”, escreveu a lutadora.

Cyborg também usou a mesma rede social para divulgar uma série de vídeos comentando sobre as agressões do Dj Ivis contra a ex-mulher. A lutadora, mais uma vez, convida o cantor para uma luta e pede para que as pessoas parem de segui-lo nas redes sociais.

“Independente de quem ele é, que música ele canta, eu vi o vídeo ele agredindo a esposa dele na frente da filha deles. Eu vi várias pessoas ao redor vendo isso e não fazendo nada que defendesse a mulher. Isso me traz indignação. Se você tem a capacidade de tocar na sua mulher, sua esposa, ponha a luva e faz isso que você fez nela em mim. Vamos ver se você consegue. Isso é um absurdo, gente. Isso é um absurdo. As pessoas que estão na internet, as pessoas que seguem esse cara, parem de seguir esse cara. Esse cara não é exemplo para você, para os seus filhos, para a sua mulher e para a sua família”, disse Cris, no vídeo.

Ainda no banner publicado pela lutadora, Cris chama ironicamente o cantor de Dj Valentão e diz: “Cyborg desafia o Dj Valentão para participar do evento nação Cyborg no dia 29/07/21 e mostrar suas habilidades contra mulheres. O valentão terá cinco rounds”, diz a postagem.

Pamella comenta agressões

A ex-mulher do DJ Ivis, Pamella Holanda, afirmou nesta terça-feira (13), em entrevista ao “Encontro com Fátima Bernardes”, que foi agredida pelo músico porque amamentou a filha quando estava diagnosticada com Covid-19. Pamella afirmou que foi orientada por seus médicos a seguir amamentando a criança, mas o cantor era contra.

“A Mel tinha quase um mês. Naquela ocasião eu estava com Covid, e todos os médicos me aconselhavam a amamentar. Ele não queria. [Ele queria] que eu não amamentasse porque disse que eu ia passar Covid”, disse Pamella.

Especialistas ouvidos pelo G1 afirmaram que não há evidência de que o leite materno transmita o vírus da Covid. Mulheres com suspeita ou confirmação podem manter a amamentação, desde que sigam as recomendação de higiene e dos seus médicos.

Pamella também revelou no “Encontro” que as agressões começaram quando estava grávida e que não havia denunciado antes por medo.

Fonte: G1 CE