A falha no chamado “arquivo log de urnas”, apontada pelo partido do presidente Jair Bolsonaro (PL), não tem relevância para o resultado das eleições, de acordo com professores e especialistas em tecnologia da informação consultados pelo UOL.

O argumento do PL se baseia num erro em urnas antigas que, sozinho, não impede a identificação dos equipamentos e não anula votos contidos nelas. O relatório do PL informa, de fato, um problema técnico existente nas urnas antigas — mas a legenda só contesta o resultado do segundo turno, que deu a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Cinco especialistas em tecnologia da informação ouvidos pela reportagem afirmam, no entanto, que esse problproblema não é suficiente para impedir que as urnas sejam localizadas e identificadas pelos arquivos de “log” —- registros com dados dos equipamentos.

O pedido do PL já foi rebatido pelo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, que cobrou que o partido apresente dados também sobre o primeiro turno — isso porque as urnas questionadas pelo PL foram usadas nos dois turnos da eleição. Ao questionar somente o segundo turno, o PL deixa de fora os votos que garantiram uma bancada de 99 deputados federais e oito senadores.

O que diz o relatório do PL sobre o código de identificação?

Na representação apresentada hoje ao TSE, o partido alega que todas as urnas dos modelos anteriores a 2020 aparecem com o mesmo número de identificação no Log de Urna, quando deveriam apresentar um número individualizado. O problema apontado pode ser verificado nas consultas aos arquivos de Log de Urna no site de Resultados do TSE, mas de acordo com especialistas, não interfere na totalização de votos nem no resultado da eleição.

Segundo o professor Ivar Hartman, professor e pesquisador do Insper, ex-coordenador do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e doutor em direito público pela Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), o questionamento sobre o código “ID_UE” não tem relevância. “Estando incorreta, não torna o cálculo dos votos errado”, disse ele ao UOL. “Apenas afeta auditoria. De qualquer forma, não importa o código da urna.”

 

Fonte: UOL