A multidão deixou lixo não só na areia %u2014 calçadão e pista ficaram sujos

O balanço da quantidade de lixo recolhida da Praia de Iracema deve ser divulgado hoje. Prefeitura de Fortaleza estima que cerca de 70 toneladas tenham sido deixadas pelo público do Réveillon no Aterro.

Após comemorações, brindes e celebrações, a festa que reuniu mais de um milhão de pessoas no Aterro da Praia de Iracema, em Fortaleza, deu lugar a toneladas de lixo na areia, no calçadão, na pista. Na primeira manhã de 2018, as placas coloridas que desejavam um feliz ano novo destoavam do cenário de sujeira que se fez no local. Em operação que seguiu até por volta das 17 horas de ontem, 382 profissionais trabalharam na limpeza da praia.

“Eu nunca vi tanto lixo”, surpreendeu-se Camila Pond, 28. A universitária é natural de Manaus e veio pela primeira vez com o filho e esposo passar o Réveillon na Cidade. Ainda assim, de acordo com ela, mesmo com a quantidade de sujeira, a festa do dia anterior valeu à pena.

“Para limpar todo o local nós mobilizamos 382 pessoas, sendo 327 delas garis e 38 operadores, além de 38 equipamentos”, explicou Adriano Ricardo, engenheiro da Secretaria da Conservação e Serviços Públicos de Fortaleza (SCSP).

Ainda de acordo com ele, estima-se que, neste ano, tenham sido recolhidas cerca de 70 toneladas de resíduos sólidos na praia. “Essa costuma ser a média histórica do que é recolhido aqui na festa do Réveillon”. A pesagem oficial dos resíduos deve ser concluída hoje. Parte do lixo será destinada ao Aterro Sanitário Metropolitano de Caucaia (Amoc).

Para Adriano, a grande quantidade de lixo todos os anos no aterro é consequência de questões culturais de descarte de forma incorreta. “Se todo mundo usasse seu saquinho e colocasse em local apropriado, a nossa operação seria bem mais facilitada”.

Catadores

Neste ano, a limpeza da Praia de Iracema não contou com parceria que já era firmada nos últimos quatro anos com associações de catadores. De acordo com Hercília Durval, presidenta da Rede dos Catadores (as) de Resíduos Sólidos Recicláveis do Estado do Ceará, neste ano não houve contratação. A parceria possibilitava o pagamento de diárias aos trabalhadores.

“Eles costumam firmar a parceria três ou quatro meses antes da festa, mas, neste ano, não houve. E isso prejudicou tanto a parte da limpeza para os profissionais como para os catadores que já esperam por esse trabalho”, disse.

Mesmo sem a parceria, Magno Castelo Branco, 36, foi um dos catadores que compareceram ao local. Ele conta que aproveita todos os anos para fazer o recolhimento de materiais no aterro. “Eu venho sempre e, neste ano, a quantidade de lixo está bem parecida com a dos outros anos”, comparou.

Por meio de nota, a Secretaria do Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) informou que, neste ano, a parceria não foi possível por motivos judiciais relacionados a questões internas da própria rede de catadores que inviabilizaram o acordo. Por telefone, Hercília Durval confirmou as pendências judiciais da entidade.

“As parcerias com catadores de materiais recicláveis são constantes em grandes eventos na Cidade. Para dar continuidade a esse trabalho, já está sendo estudada uma nova parceria para a coleta desses materiais durante o período de festa de Pré-Carnaval”, adianta a nota da SCSP.

Fonte: O Povo