A próxima adversária do Brasil na Copa do Mundo do Catar, a Croácia, recebeu uma dura punição da Fifa por conta de um episódio de desrepeito de seus torcedores na primeira fase do Mundial.

No jogo contra o Canadá, válido pela primeira fase do torneio, e que terminou com a goleada da equipe europeia por 4 a 1, o goleiro canadense Milan Borjan recebeu ofensas xenófobas por conta da sua origem étnica.

A Federação Croata de Futebol foi multada em mais de 50.000 euros, cerca de R$ 268 mil, pelos insultos feitos contra o atleta do Canadá.

ENTENDA OS MOTIVOS DOS INSULTOS XENÓFOBOS

A punição foi baseada no artigo 16 do Código Disciplinar da FIFA: uso de palavras para transmitir uma mensagem que não é apropriada para um evento esportivo. Os torcedores croatas gritavam “Borjan é um ‘Ustase’ (fascista)”, referindo-se ao regime que exterminou, entre outros, sérvios e judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

O goleiro da seleção canadense nasceu em uma região de etnia sérvia da Croácia que fez parte do conflito que dividiu a ex-Iugoslávia na década de 1990. A família de Milan Borjan deixou sua terra natal em 1995, ano em que a cidade era controlada por forças croatas.

Ainda criança, Borja se mudou para o Canadá e, quando se profissionalizou, decidiu representar o país que o acolheu.

Fonte: Diário do Nordeste