O prazo para o saque do abono salarial PIS/Pasep, exercício 2020, termina nesta quinta-feira (29). Segundo o Ministério do Trabalho e Previdência, o total disponível que ainda não foi sacado chega a R$ 370,8 milhões. Mesmo que o trabalhador perca esse prazo, fica assegurado a ele o direito ao dinheiro pelo período de cinco anos. Porém, será preciso esperar a abertura do calendário de pagamento do abono de 2023, com previsão para 15 de fevereiro.

“Os valores não sacados poderão ser solicitados quando da abertura do próximo calendário em 2023, por meio de recurso administrativo, e, se devido, será posto à disposição do trabalhador no mês seguinte ao da análise. Lembrando que o prazo prescricional é de cinco anos”, afirma o Ministério do Trabalho e Previdência.

Do total de 25,9 milhões de trabalhadores aptos a receber o abono neste ano, 413.301 ainda não resgataram o benefício. O valor liberado atingiu R$ 23,4 bilhões. O calendário de pagamento deste ano, conforme a data de nascimento do trabalhador, foi realizado de 8 de fevereiro a 31 de março.

O abono salarial é um benefício anual no valor máximo de um salário mínimo, que atualmente é de R$ 1.212. Para ter direito, é preciso estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos, ter trabalhado formalmente com carteira assinada por, no mínimo, 30 dias em 2020 e ter recebido, no máximo, dois salários mínimos (R$ 2.424) mensais.

A Caixa Econômica Federal é responsável pelo pagamento do PIS (Programa de Integração Social), e o Banco do Brasil, pelo do Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público).

Fonte: gcmais