Sabe aquela história do “era pra ser”? Realmente era pra ser. O Grêmio Quixoá entrou no Campeonato Iguatuense com muita organização, boas contratações e muita gente competente no comando. Logo de cara foi eleita uma das equipes favoritas ao título, uma das mais propensas à glória do futebol do município de Iguatu. O início da competição foi como esperado: primeira fase tranquila: três jogos e três vitórias. Na primeira fase as vitórias foram sobre a equipe da Santa Clara, do Pelotas e também do Santo Antônio. Dessa maneira o Grêmio terminou a primeira fase no primeiro lugar no ranking geral, enfrentando assim a oitava equipe com melhor campanha. O adversário nas quartas de final não poderia ser mais difícil. A Juventus da Chapadinha é conhecida por ser uma equipe forte, aguerrida e entrosada, mas nenhum desses fatores impediu a vitória por 2×0 do Grêmio que se classificava para a semifinal.

Faltava apenas um passo para a classificação na grande final da competição, e mais uma vez o chaveamento preparava um grande desafio para o time da Terra da Banana, o temido Vila Centenário. Tido como copeiro, carrasco e vencedor, o Vila apresentou muita dificuldade ao Grêmio e até os 40 minutos do segundo tempo de jogo a partida estava empatada em 1×1. A partir deste momento as ações pareciam ter intervenção divina. Após um lance duro, o atleta Rene sentiu dores, solicitou atendimento, mas o atendimento foi negado pelo árbitro da partida. Nessa jogada havia sido marcado escanteio a favor do time do Quixoá. Caso tivesse sido atendido, o Renê precisaria sair de campo e voltar após o lance, mas sem a autorização necessária isso não aconteceu. E acreditem, na cobrança do escanteio o cabeceio certeiro que culminou em gol foi dele, Renê. Dessa maneira a vitória sobre um dos maiores times da cidade estava concretizada e com gol de quem poderia estar fora de campo.

Na final mais um bicho papão. O time da Estrada vinha com uma campanha muito parecida com a do Grêmio, ainda não havia sido derrotado e contava com um dos maiores investimentos financeiros do campeonato. Jogo truncado, pesado e de muito respeito por ambas as equipes. De certa maneira um jogo até monótono pela escassez de chances claras de gol. Porém, mais uma vez parecendo obra divina, mais uma história intrigante. O atacante Rian tinha sofrido uma pancada no estômago e já tinha pedido para ser substituído, e numa falta no campo ofensivo esquerdo do Grêmio do Quixoá a placa do quarto árbitro sobe e mostra que a entrada do atleta Paulinho seria no lugar do camisa 9 Rian, como havia sido solicitado. Mas, como dito anteriormente, parece obra divina, o atacante Zé Lopes pediu pra sair pois não tinha mínima condição de jogo por um incômodo físico. Dessa maneira o que foi informado pela placa não foi obedecido. Zé Lopes sai de campo desolado por não aguentar mais e lembra daquela falta marcada? Lembra daquele jogador que pediu pra ser substituído? Pois bem, Rian na cobrança, quatro homens na barreira, área tumultuada… cobrança autorizada e na batida, por fora da barreira, a bola fez uma curva, enganou o goleiro adversário e morreu no fundo da rede… Goooooooooooollllllllll do Grêmio! Rian, Rian, Rian! E com ações quase sobrenaturais, o Grêmio do Quixoá é campeão da Primeira Divisão do Campeonato Iguatuense de Futebol.

Homenagem linda ao Valderi (in memorian), homenagem aos ex atletas Gêca e Auredson. É festa na terra da Banana.

PODCAST MAIS JUSTIÇA – I SIMPÓSIO DO DIREITO HOMOAFETIVO DO CENTRO SUL CEARENSE