Água sendo desperdiçada

O principal reservatório de água do município de Iguatu, sofre uma de suas piores crises desde a sua construção. Hoje o açude Roberto Costa, conhecido popularmente como Açude Trussu, está com menos de três e meio por cento de sua capacidade.


Terminando o inverno, ou a estação chuvosa do ano de 2019,o Açude estará com sua capacidade menor do que quando começou o ano, quando ainda tinha cerca de 5% do seu volume.

Cerca de sete grandes vazamentos são vistos a céu aberto


Iguatu não vive os seus melhores momentos, no quesito abastecimento de água. A água consumida hoje pelos Iguatuenses, oriunda do Açude Trussu já não é mais de tanta qualidade.
Mesmo assim ainda há um grande desperdício deste líquido precioso. Grande exemplo disso, são os constantes vazamentos na adutora que leva a água até o município e abastece toda a comunidade.


A reportagem da Mais FM recebeu um convite de um morador da comunidade de Suassurana para que visitássemos um perímetro da adutora que se mostra com muitos vazamentos.

Brasil é um dos moradores da região preocupados com a situação


Francisco Brasil ou Brasil como é popularmente conhecido em sua comunidade, mostra-se indignado com a quantidade de vazamentos na adutora. Segundo ele, a água que já é muito pouca, vem sendo prejudicada ao longo do trajeto entre Suassurana e a comunidade do Trussu.


Algumas pequenas Lagoas foram se formando, a grande maioria delas, com água dos vazamentos. Esta água já não volta mais para o açude, ficando assim perdida ao longo do caminho, não servindo para mais nada.


A grande revolta do senhor Brasil é que, segundo ele, nunca foi tomada nenhuma providência para que esses vazamentos na adutora fossem recuperados. As imagens que os leitores podem ver nesta matéria, demonstram claramente a veracidade das informações, de que a adutora sofre com problemas de vazamento ao longo do trecho entre Suassurana e o Açude Trussu.

Há água sendo perdida ao longo do trecho entre Suassurana e o Trussu


A reportagem da Mais FM enviou as denúncias para a superintendência do sistema autônomo de água e esgotos de Iguatu-o SAAE. Em resposta o senhor Edval Lavor, superintendente da referida autarquia, informou que já é de conhecimento do órgão esses vazamentos. No entanto não é possível parar o abastecimento da cidade, para que haja a recuperação dos trechos com problemas.

Segundo Edval Lavor mais de 30 mil pessoas seriam prejudicadas com o abastecimento enquanto a recuperação estiver sendo feita.
O conserto de cada vazamento demora cerca de 24 a 28 horas chegando à cidade a ficar sem água durante três dias ininterruptos.

Já está programado para os próximos dias a recuperação de dois desses vazamentos. O restante será recuperado mais adiante.O sistema autônomo de água e esgoto de Iguatu comunicará através das emissoras de rádio e de redes sociais o dia dos desligamentos, segundo Edval Lavor.