Foto: Divulgação

A tecnologia é uma das mais importantes aliadas da medicina no diagnóstico de doenças. Agora, pesquisadores querem usá-la para identificar em bebês traços de um transtorno ainda repleto de mistérios para a ciência: o autismo. Os especialistas criaram um programa de computador que avalia o comportamento das crianças diante de alguns estímulos. Nos testes, o algoritmo se mostrou tão eficiente quanto psicólogos experientes e ainda detectou detalhes que escaparam aos olhos dos profissionais. No futuro, o projeto, que conta com a colaboração de um brasileiro, tem a intenção de monitorar diferentes sintomas do problema e até mesmo usar o reconhecimento de imagem para descobrir outros sinais ligados ao transtorno.

O procedimento é feito com a ajuda de um vídeo comum, sem o uso de qualquer sensor ou ferramenta invasiva. Os pesquisadores marcam o nariz, a orelha e o olho esquerdos da criança na tela do computador, permitindo que o programa registre os movimentos horizontal e vertical da cabeça. A partir daí, o funcionamento é automático. O algoritmo usa imagens de alta definição da interação entre os bebês e um profissional, avaliando as reações dos pequenos.

O sistema, descrito no periódico on-line Autism Research and Treatment, usa como base dois testes comumente aplicados em crianças entre 5 e 18 meses. Neles, o especialista move brinquedos sonoros na frente do bebê e observa o tempo de reação do pequeno para avaliar se há sinais do transtorno. Os movimentos da criança são registrados e depois analisados pelo computador, que aponta se há algo inesperado na forma como ela agiu. 

Fonte: CORREIO BRAZILIENSE