(Foto: Divulgação)

Em meio aos surtos de dengue, chikungunya e da quarta onda de Covid-19, o preço de remédios para o tratamento de gripes, resfriados, alívio de dores e de febre atingiu a maior alta do ano em junho último, com inflação de 14,69%, na Grande Fortaleza.

Os dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), calculam o acumulado dos últimos seis meses até junho deste ano. O custo local também ficou acima da média nacional (12,09%).

Depois dos analgésicos e dos antitérmicos, as vitaminas e os fortificantes tiveram as maiores elevações (12,69%). Já a variação acumulada do índice geral de medicamentos da Capital e da Região Metropolitana ficou em 6,34%.

VEJA OS ITENS FARMACÊUTICOS QUE TIVERAM AS MAIORES ALTAS NO PERÍODO*:

Analgésico e antitérmico: 14,69%;
Vitamina e fortificante:12,59%;
Produtos farmacêuticos: 9,83%;
Psicotrópico e anorexígeno: 7,94%;
Anti-infeccioso e antibiótico: 7,3%.

*Variação acumulada dos últimos seis meses até junho.

Fonte: Diário do Nordeste

MAIS ROCK – Novas músicas do Interpol e do Journey e um especial em homenagem ao músico grego Vangelis