O partido Podemos inicia nesta sexta-feira (17) uma investida para estruturar o palanque do ex-ministro Sérgio Moro no Ceará, mirando as Eleições de 2022. Um evento de filiação em Fortaleza reunirá a cúpula regional da sigla e pavimenta o caminho para a vinda do ex-juiz ao Estado, marcada para acontecer entre fevereiro e março do ano que vem, segundo lideranças.

A movimentação ocorre em meio a um cenário no qual Moro aparece, logo após se filiar ao partido, como um agente da chamada terceira via, em uma pré-candidatura ao Palácio do Planalto que se coloca como opção entre o ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL).

O principal articulador do Podemos no Ceará é o senador Eduardo Girão. Além dele, o prefeito Glêdson Bezerra, de Juazeiro do Norte, é o único chefe de Executivo no Estado pelo partido. Mesmo ligado ao grupo apoiador de Bolsonaro no Estado, especialmente ao pré-candidato ao Governo Capitão Wagner (Pros), Girão tem dado sinais de entusiamo com a candidatura de Moro.

“A  candidatura de Moro à Presidência do Brasil pelo Podemos, além  de ser legítima, contribui a meu ver, para evitar o pior para o país , que seria o retorno do PT – depois de todos os escândalos de corrupção – ao poder nacional”, disse Girão, em nota, nesta sexta (17).

Ele também sai em defesa da candidatura de Capitão Wagner ao Governo e afirma que há “uma convergência política natural no enfrentamento do mal maior tanto para a nação como para a ‘Terra da Luz'”.

Em recente rota de colisão com bolsonaristas no Ceará, Girão tem rebatido ataques de seguidores nas redes sociais que criticam sua relação com Moro. Desde que deixou o Governo Federal, Moro gerou um racha no eleitorado de Bolsonaro que o apoiava desde a Operação Lava Jato.

A inflexão com núcleo cearense que apoia Jair Bolsonaro, como o deputado estadual André Fernandes (Republicanos), se deu principalmente por posicionamento contrário do senador ao PL 3723/19 que trata da regulamentação de armas para caçadores, atiradores esportivos e colecionadores. Em meio a críticas, o senador disse que votaria a favor após mudanças na lei.

 

ESTRATÉGIA

No Ceará, a tática do partido é atrair empresários e simpatizantes à candidatura de Sérgio Moro que, de acordo com as últimas pesquisas de intenção de voto, aparece em terceiro lugar na corrida eleitoral.

O presidente do Podemos no Ceará, Fernando Torres, diz que a estratégia do partido é ter maior representatividade no Parlamento cearense no ano que vem. Atualmente, a sigla conta com o vereador de Fortaleza Danilo Lopes.

“A nossa pretensão é eleger um deputado federal e dois estaduais […], até final de março vamos apresentar para os nossos filiados a nossa chapa para as eleições”, disse o presidente.

FILIAÇÃO

Nesta sexta-feira (17), o Podemos organiza um evento de filiação do empresário cearense Geraldo Luciano, que chegou a ser cotado, em 2020, como pré-candidato a prefeito de Fortaleza, à época pelo Novo.

“Desde quando ele era do (partido) Novo eu já o imaginava no Podemos. Ele tem essa pegada de gestão onde, em um futuro governo, vai nos ajudar a desenvolver políticas públicas sustentáveis, e é um amigo de longas datas do senador Eduardo Girão”, sinaliza ainda Fernando Torres.

A expectativa é reunir empresários, políticos e pessoas ligadas ao senador Girão. O vereador Danilo Lopes também deve comparecer.

 

Fonte: Diário do Nordeste