Para os amantes da velocidade e da Fórmula 1, esperar quatro meses pelo ronco dos motores e a adrenalina das corridas parecia uma eternidade. Mas finalmente a espera acabou e a temporada de 2020 da categoria enfim terá início hoje.

O campeonato será aberto com GP da Áustria, marcado inicialmente para ser apenas a 11ª prova do ano. A drástica mudança escancara o que foram os últimos meses para a principal categoria de automobilismo do mundo, com impasses, dúvidas e seguidas alterações no calendário.

A pandemia do novo coronavírus tornou a temporada de 2020 uma das mais tumultuadas da história de 70 anos da Fórmula 1. A indefinição teve início com o cancelamento de última hora do GP da Austrália, que deveria abrir o campeonato no dia 15 de março. Os pilotos nem chegaram a participar do primeiro treino livre. Ou seja, não entram na pista desde os testes da pré-temporada em Barcelona, no fim de fevereiro.

Nestes quatro meses longe do asfalto, os pilotos viram o calendário sofrer um brusco encolhimento. As 22 etapas, que seriam um recorde na Fórmula 1, se tornaram apenas oito até agora, sem público. Ficaram pelo caminho sete provas, e das tradicionais, como as de Mônaco e do Japão. O GP da Holanda precisou adiar a sua reestreia na categoria.

Com isso, a direção da Fórmula 1 fez algo incomum ao promover rodadas duplas no mesmo circuito, tanto na Áustria (também no próximo dia 12) quanto na Inglaterra (dias 2 e 9 de agosto). As outras corridas confirmadas serão na Hungria (19/07), Espanha (16/08), Bélgica (30/08) e Itália (06/09).

Fonte: Diário do Nordeste