Vamos fazer uma pequena brincadeira de imaginação. Imagine que você está numa loja e percebe que ali está acontecendo um assalto, digamos que exatamente nessa hora eu chego e peço para você fazer uma redação. Você iria conseguir fazer a redação?
Imagine que você está em um clube e percebe que tem algumas crianças se afogando, exatamente nesse momento eu peço para você tomar uma decisão sobre o financiamento de um carro. Você iria conseguir fazer?
Caso você respondeu que não conseguiria fazer tranquilamente o que lhe foi solicitado nessas duas situações, eu poderia dizer que você está procrastinando, já que você teve a preferência por deixar para fazer o que foi solicitado para depois?
Normalmente pensamos que a procrastinação é falta de gestão de tempo ou de organização, por exemplo, quando as pessoas estão no trabalho e acabam que deixando para depois alguma coisa ou não conseguindo começar a fazer aquilo que até ela sabia que já teria de ter sido feito, temos a tendência de achar que ela é preguiçosa, desorganizada ou coisa do tipo, mas na verdade o que ela está tendo é uma falta de gestão emocional.
Os exemplos dados no início do texto mostram que não faz sentido exigir uma atitude estratégica ou que demanda pensamento crítico de uma pessoa que esteja se sentindo em situação de perigo. Dessa maneira devemos saber de uma coisa muito importante sobre nosso comportamento, é que todos eles são baseados em nossas percepções, e nossa percepção facilmente pode ser distorcida, as ilusões de óticas estão aí para comprovar isso, ou seja, não precisa existir um perigo real para uma pessoa se sentir em risco.
Se caso eu percebo uma imagem de uma forma diferente de como realmente ela é, isso quer dizer que eu também posso perceber uma situação de uma maneira que ela não é. Se eu olho para uma figura e “percebo” uma imagem de perigo, então eu vou sentir sentimentos ruins, dessa maneira se eu percebo uma situação como de risco, ficará fácil que eu me sinta desequilibrado.
Hoje em dia a rotina de trabalho pode desencadear essa “percepção de perigo”, alguns ambientes são muito hostis, havendo ameaça de demissão, assédio moral, ou coisa do tipo, e mesmo que não aconteça isso, existe a pressão de ter que tomar decisões e tomar decisão requer responsabilidade, responsabilidade gera consequência e isso pode fazer com que a pessoa “perceba seu trabalho como ameaçador”.
Saber disso faz toda a diferença, pois então ao invés de eu me sentir incompetente, ou achar que outra pessoa seja, a partir de agora quando eu estiver procrastinando ou outra pessoa, eu irei observar se o risco que estou percebendo e sentindo é real ou imaginário, se pode ser resolvido e como ser resolvido.


Só em entender essa situação e como a gente reage, fará eu sair do papel de passividade, tomando uma atitude mais ativa e assertiva, como deixarei de possivelmente cumprir um papel de julgador e serei mais compreensivo e em ajudar o outro e ajuda-lo a perceber a situação de outra forma, inclusive isso é uma atitude essencial de pessoas com função de liderança na empresa.
Então a partir de hoje quando você sentir que está no ciclo da procrastinação, se sentindo mal por não ter feito nada, e não consegue fazer nada pois está se sentindo mal, primeiramente você irá direcionar sua atenção para sua percepção, ou seja, perceba como você está percebendo a situação, o que nela está desencadeando isso. Assim você terá mais chance de saber como resolver algum problema ou achar quem saiba. Além dessa atitude que falei, irei dar uma dica em 5 passos para lhe ajudar a se equilibrar emocionalmente e assim parar de procrastinar, esses elementos são:

1 Crie um sistema de prioridades

Obviamente cada pessoa tem seu ritmo natural, e não se trata de querer impor o mesmo a todos. Entretanto, na maioria das vezes, a falta de tempo pode ser driblada por uma melhor organização de prioridades, estipulando metas alcançáveis, segundo o tempo disponível. Isso porque o fato de cumprir pequenos objetivos acaba desencadeando uma onda de predisposição, que nos deixa mais abertos e animados a novos desafios.

2 Coloque em prática a Regra dos Minutos

Existe uma regra dos cinco minutos, que diz: se algo não leva mais de 05 minutos para ser feito, simplesmente faça. Quando esse tipo de postura se converte em hábito, significa que uma série de tarefas não poderá mais ser procrastinada.

 

3 Enxergue o lado bom da rotina

A rotina é uma aliada para todas as pessoas que têm dificuldades para deixar de procrastinar. Seguir uma rotina é saber qual o próximo passo vai dar, isso faz com que o cérebro gaste menos energia imaginando e sim fazendo, dessa maneira essas atitudes automatizam e simplificam as tarefas, permitindo executar determinadas ações de forma quase inconsciente.

4 Administre tempo e energia

Colocar uma ordem de prioridades no que deve ser realizado, e tratar de encaixá-la nas horas do seu dia, é importante. Porém não é o único que deve ser feito. Aprenda a administrar a sua energia e a minimizar as cobranças naqueles dias em que você se sente indisposto ou de mal humor. Uma boa estratégia é cuidar da alimentação e fazer atividade física regularmente. Isso, afetará positivamente sua disposição.

5 Crie um sistema de recompensa

Qualquer pessoa trabalha mais feliz quando se sente recompensado, verdade? Assim como você estipula o que deve ser feito, também deveria prever pequenas recompensas por não procrastinar. É uma excelente forma de se automotiva. Essas recompensas podem ser pausas no meio do trabalho, comer algo que goste, ou até mesmo mexer no celular e ver as redes sociais por um tempinho, enfim, algo que lhe gere um certo prazer.

Gleydson Henrique Pontes de Oliveira
Psicólogo
CRP: 11/12538
Agendamentos: 88 9 9627 2171