Na primeira reunião ministerial, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta sexta-feira (6), que qualquer ministro que se envolver em atos ilícitos será demitido do governo e terá que se pôr à disposição das investigações judiciais.

“Quem fizer errado sabe que tem só um jeito: a pessoa será simplesmente, da forma mais educada possível, convidada a deixar o governo. E, se cometer algo grave, a pessoa terá que se colocar diante das investigações e da própria Justiça”, disse Lula. Depois, o presidente afirmou que não vai deixar nenhum ministro para trás e que vai cuidar de todos como “uma mãe” trata os filhos.

Lula, no entanto, não citou o caso da ministra do Turismo, Daniela do Waguinho, do União Brasil, ligada à família de Juracy Alves Prudêncio, o Jura, condenado por chefiar uma milícia na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Jura é ex-sargento da Polícia Militar e foi condenado a 22 anos de prisão pelos crimes de homicídio e associação criminosa. A ministra é casada com Waguinho, prefeito de Belford Roxo (RJ) e presidente estadual do União Brasil no Rio de Janeiro.

O encontro ministerial ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília, e contou com a participação de todos os 37 ministros. Entre os objetivos da reunião está o alinhamento entre os titulares de pastas. Ela serviu para Lula dar o recado que, para anunciar qualquer medida, é preciso o aval do presidente da República.

Lula pediu ainda que os ministros tenham uma relação harmoniosa com o Congresso Nacional. “Muitos de vocês são resultado de acordos políticos, porque não adianta a gente ter o governo tecnicamente formado em Harvard e não ter o voto na Câmara dos Deputados, e não ter o voto do Senado”, afirmou no encontro.

“É o Congresso que nos ajuda. Nós não mandamos no Congresso, nós dependemos do Congresso, e, por isso, cada ministro tem que ter a paciência e a grandeza de atender bem cada deputado e cada senador que o buscar”, completou.

Conforme o presidente, cada ministro tem “a obrigação de manter a mais harmônica” relação com o Congresso Nacional. “Quando a gente vai conversar, você não está propondo um casamento, mas a gente está propondo aprovar um projeto ou fazer uma aliança momentânea em torno de um assunto que interessa ao povo brasileiro”, disse.

 

Fonte: GCMAIS