(Foto: Reprodução)

A Polícia Civil prendeu o idoso de 62 anos suspeito de espancar a própria neta, de 21 anos. As agressões aconteceram na segunda-feira (31) em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. Um vídeo do momento da ação violenta que a jovem sofreu foi publicado em uma rede social dela no início da semana.

Conforme a delegada Joelma Karla, titular da Delegacia da Mulher, o suspeito foi preso na casa de um parente, no Bairro Presidente Kennedy, em Fortaleza. A vítima relatou que “fortemente agredida” e sempre sofria com o avô; ela decidiu filmar para ter provas do crime.

“Minha tia sempre falava que se ele tentasse alguma coisa, éramos para gravar, pois sempre acontecia mesma coisa e nunca havia provas”, conta.

A delegada informou que o suspeito negou a prática de violência contra as vítimas e afirmou que não lembrava o momento das agressões físicas contra uma das jovens. Contra o suspeito, de acordo com Joelma, a há também uma medida protetiva. O idoso deve ficar longe da vítima agredida a uma distância de, no mínimo, 100 metros.

‘Foi muita pancada’

A jovem conta que conseguiu, antes de ser espancada, jogar o celular dela em um colchão. Ao ver o aparelho, a prima da vítima começou a gravar as agressões. “Minha tia sempre falava que se ele tentasse alguma coisa, éramos para gravar, pois sempre acontecia mesma coisa e nunca havia provas.”

A jovem conta que sofreu uma série de agressões. Além de socos no rosto, a vítima disse que teve sua cabeça arremessada contra a parede. Desorientada, a praticante de jiu-jítsu narra que não teve tempo de se defender. “Eu fiquei atordoada com o primeiro soco e não consegui fazer nada. Minha prima foi para cima dele porque viu que ele não ia parar e chutou as costas dele.”

A vítima conta que conseguiu sair da casa com a prima. Amparada pela tia que tinha chegado em frente a residência logo após as agressões, a jovem conta que foi ao hospital. Lá, precisou passar um procedimento cirúrgico no nariz, que sofreu uma abertura em decorrência dos socos.

Após cerca de três dias do ocorrido, a jovem agredida teme pelas sequelas do espancamento. “As agressões foram muito fortes. Estou sentindo dores na cabeça. O meu olho ficou com um desvio. Não sei se ocasionou alguma lesão. Foi muita pancada.”

Discussão sobre limpeza da casa

Natural do Pará, a jovem conta que foi morar em Caucaia a convite do suspeito. Ela informou que as agressões aconteceram um dia após ela completar 21 anos, e ocorreram durante uma discussão sobre a limpeza da casa, que estava em obras. “Ele queria que eu e minha prima limpássemos a casa enquanto o pedreiro estava trabalhando. Mas, à tarde, eu precisava sair.”

A jovem explica que foi realizar a limpeza somente após voltar para casa quando imaginou que o pedreiro já havia concluído o serviço. O avô, contudo, exigiu que ambas parassem o serviço. Ao discutir sobre o trabalho, o suspeito tentou agredir a prima da vítima.

“Ele saiu do quarto e começou a puxar a vassoura, que estava com minha prima, na maior violência e gritar com ela. Aí ele disse que não era mais hora de limpar a casa, e, se limpássemos, ele iria quebrar a gente.”

Ao indagar sobre a truculência do avô, a jovem conta que o suspeito iniciou uma série de agressões verbais, xingando ambas. “Eu perguntei qual era o problema dele e, aí, ele falou que éramos burras, vagabundas e imbecis. Ele apontou o dedo pra mim, e eu falei que o imbecil era ele.”

Logo em seguida, a jovem conta que o suspeito foi em direção à prima para agredi-la. “Ela, nervosa, começou a gritar e ele foi para cima [dela], pra bater nela. Aí, eu pensei em derrubar ele em um colchão que estava na sala, mas não consegui. Ele virou e já veio me empurrando na parede.

Histórico de violência

A jovem relata que o avô apresenta um histórico de violência contra mulheres da família. O suspeito, afirma a jovem, já tentou agrediu diversas vezes a mãe dela e já tentou matar uma ex-companheira dele. “Minha vó passou 20 anos casada com ele, sofrendo agressões. Já tentou pôr fogo na casa. Ele é extremamente agressivo.”

A jovem espera agora que o suspeito seja condenado pelo crime. De acordo com ela, o avô foi capturado pelo caso de agressão contra a ex-companheira dele, de 2015, e que o pedido de prisão em relação à violência sofrida por ela ainda será emitido. “Eu espero que a Justiça seja feita, que ele pague pelo que ele fez durante anos, pois ele nunca foi punido por nada. Espero que ele não fique impune, que as coisas aconteçam como tem que acontecer.”

Ela conta ainda que almeja servir de exemplo para que outras vítimas de violência contra a mulher relatem os casos. “Espero que outras mulheres vejam isso e se sintam motivadas. Nenhuma mulher merece ser tratada desse jeito e que não se cale, pois, uma hora, isso pode tirar sua vida.Ele quase me matou um dia depois do meu aniversário. Eu poderia ter morrido.

O caso

A jovem informou que foi espancada dentro de casa. Um vídeo flagrou a violência física sofrida pela vítima, que aponta o próprio avô como autor do crime. O suspeito já responde por agressão corporal contra uma ex-companheira, informou a Secretaria da Segurança.

A vítima denunciou as agressões em seu perfil do Instagram. Em algumas imagens publicadas na rede social, é possível ver a mulher com o rosto ensanguentado.

De acordo com a Secretaria, o exame de lesão corporal foi realizado também ontem (1º), pela Coordenadoria de Medicina Legal (Comel), da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce). “O laudo de constatação das lesões foi encaminhado para a DDM de Caucaia”.

A Instituição afirmou ainda que o Departamento de Atenção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) foi acionado para dar suporte à vítima e que “as investigações estão em andamento”.

Fonte: G1 CE