A faxina da sua casa e do quintal foi realizada há uma semana, eliminando os riscos de criação do Aedes aegypti, mosquito que além de transmitir a dengue transmite também as febres Zika e Chikungunya? Está na hora de fazer tudo de novo: coletar latas e também tampinhas de refrigerantes, deixar as garrafas com as bocas para o chão, observar se tem pneus em área descoberta, recolher baldes destampados, e muito importante, verificar as condições da caixa d`água, que precisa estar bem lavada e vedada. Nunca esquecer de amarrar bem os sacos de lixo. A faxina de ser feita uma vez por semana porque bastam oito dias para o ovo,  que foi colocado em algum depósito, em contato com algumas gotinhas de água se transformar em larva, pupa e mosquito adulto e sair por aí  picando. 

 

Todo cuidado é pouco com a limpeza e tudo que pode acumular água. Basta uma pequena chuva, como a de 5.1 milímetros registrada em Fortaleza na madrugada desta terça-feira, 28, para acumular água em depósitos e quaisquer latinhas esquecidos nos quintais, um prato cheio para o mosquito e grande risco para a saúde coletiva. 

Este ano, até o último boletim epidemiológico elaborado e divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado, na última sexta-feira, 24, foram confirmados 35.580 casos em 156 municípios cearenses, com 34 óbitos.  No ano passado o número de casos confirmados ficou em 18.243 em 146 municípios, com o total de 53 óbitos. Os meses em que ocorrem, historicamente, o maior número de casos graves e óbitos são abril e maio. Mesmo esse período já tendo passado, o mosquito continua se multiplicando. A dengue é endêmica. Daí, a necessidade de vigilância permanente contra o Aedes aegypti. 

O melhor é se prevenir. E se ficar doente, ficar atento aos sintomas e sinais para o diagnóstico precoce e evitar agravamento do quadro. Entre os sintomas e sinais da dengue estão manchas no corpo todo, dor de cabeça, dores nas articulações, vômitos, dor abdominal intensa, queda repentina nas plaquetas, sangramento.

*Assessoria de Comunicação da Sesa