(Foto: Reprodução)

Os 414 mil estudantes da rede pública estadual do Ceará devem retornar às aulas do 2º semestre letivo de 2021 em agosto. A decisão se a volta será no formato remoto ou híbrido caberá a cada uma das 731 escolas, segundo a Secretaria Estadual da Educação (Seduc).

A pasta foi questionada sobre quantas unidades devem ofertar aulas no formato misto (presencial e remoto), mas não informou, indicando apenas que cada uma terá autonomia para optar por essa medida.

A Seduc foi indagada também pelo Diário do Nordeste sobre os detalhes desse retorno, mas, em nota, disse apenas que as decisões foram tomadas, de forma conjunta, em reunião da mesa de negociação, na quarta-feira (28), que contou com a participação, dentre outros, do Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc).

Ao Diário do Nordeste, a Apeoc informou que as etapas para retorno às aulas da rede estadual serão da seguinte forma:

2 a 6 de agosto: ocorrência de aulas remotas. Nesse período, a comunidade escolar (estudantes, professores, gestão e pais) se reunirá para debater se fará a opção pela continuidade do ensino remoto ou a adoção do modelo híbrido. Também será feito o planejamento pedagógico;
9 de agosto: as escolas que optarem pelo modelo híbrido poderão iniciá-lo a partir desta data;
23 de agosto: haverá uma reunião envolvendo a Seduc, a Apeoc e as entidades estudantis para fazer uma avaliação sobre esse processo de retorno ao segundo semestre letivo. Nela poderá ocorrer reajustes em definições anteriores.

A decisão, segundo o presidente da Apeoc, Anízio Melo, tem como base legal a Portaria 0057/2021, publicada pelo Governo do Estado ainda em janeiro de 2021. A norma reafirma o respeito ao “princípio da autonomia dos estabelecimentos de ensino”.

Fonte: Diário do Nordeste