Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Quando o Gorilla Glass chegou ao mercado, eram poucas as pessoas que realmente acreditavam que esse tipo de vidro seria resistente como prometido. Hoje, ele é o carro chefe quando o assunto é proteger dispositivos portáteis, sendo considerado praticamente indestrutível.

Essa resistência monstruosa também é um grande mistério para qualquer um que tenha um celular ou tablet com o material. Afinal, como algo que parece um pedaço de plástico comum consegue ser tão “forte”?

Fabricando o supervidro

Para que o Gorilla Glass chegue às lojas e possa proteger nossos celulares de arranhões e quedas, ele deve antes ser temperado através de um processo de troca de íons, algo comum para qualquer vidro do gênero.

Neste processo, o Gorilla Glass é submerso em uma solução de sais de potássio a temperaturas de 400 °C. Isso faz com que os íons de sódio do vidro sejam substituídos por íons de potássio; estes, por serem maiores, deixam menos espaço entre cada átomo, criando uma camada muito mais densa e resistente quando o material esfria.

Mas se a troca de íons também é usada na fabricação das outras telas de eletrônicos, por que o Gorilla Glass consegue ser melhor do que eles? O segredo, segundo a própria Corning, está no material usado para fazer o vidro, chamado álcali-aluminosilicato. Sua composição permite que a troca de íons atinja camadas muito mais profundas, o que, de forma simples, o torna extremamente resistente.

Fonte: TEC MUNDO