Nos seis primeiros meses de 2022, uma média de 20 veículos foram roubados a cada 24 horas no Ceará. Segundo dados fornecidos pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), entre janeiro e junho o Estado já registrou 3.740 ocorrências dessa natureza. Só no último mês de junho, 576 ações criminosas foram contabilizadas. Mais da metade dos roubos ocorreram em Fortaleza.

Conforme as estatísticas, a Capital responde por 55% das ocorrências registradas no semestre. No total, foram 2.059 roubos, número que, em média, representa ao menos 11 assaltos por dia. Os dados foram processados pela Gerência de Estatística e Geoprocessamento (Geesp) da Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp), instituição vinculada à SSPDS, com base nos Boletins de Ocorrência registrados nas Delegacias de Polícia Civil.

Os números deste ano, no entanto, são menores do que os de 2021. No primeiro semestre do ano passado, o Ceará havia registrado 4.512 roubos a veículos, 9,9% a mais do que as ocorrências contabilizadas no mesmo período de 2022. A redução também foi observada na Capital, onde a retração chegou a 10,3%. Considerando apenas as ocorrências de junho, houve queda de 14,4% em todo o Ceará. Comparando os dois anos, o total de crimes reduziu de 673 para 576 no período analisado.

 

Roubo de veículos: como denunciar

Condutores que tiveram veículos roubados ou furtados no Ceará podem prestar queixa sobre o crime nas Delegacias de Polícia Civil, de forma presencial, ou registrar um Boletim de Ocorrência (B.O) online no site da Delegacia Eletrônica. Em Fortaleza, os casos também podem ser comunicados à Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFCV), localizada no bairro Maraponga.

Além do registro em unidade policial, o proprietário do veículo deve comparecer a uma de atendimento do Detran para ratificar as informações fornecidas na Delegacia. Com isso, os dados serão inseridos na Base Nacional de Cadastro de Veículo, sinalizando para as autoridades o registro de queixa de roubou ou furto em nome do veículo e garantindo que o órgão fazendário estadual suspenda a cobrança de tributos como IPVA e licenciamento, enquanto o veículo não for recuperado.

Fonte: O Povo