O ex-deputado federal Cabo Daciolo (Brasil 35) abriu mão de sua pré-candidatura à Presidência da República para apoiar Ciro Gomes (PDT) nas eleições de 2022. Em 2018, Daciolo ficou conhecido pelo perfil anedótico e falas polêmicas durante os debates eleitorais.

Ele manteve o estilo ao anunciar a desistência da disputa, nas redes sociais. Em vídeo gravado no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, o agora ex-presidenciável afirma que recebeu um “pedido do espírito santo” para apoiar Ciro.

“Pré-candidato à presidência da República Ciro Gomes, irmãozão, no dia da eleição, em 2022, na contagem dos votos, se você tiver um voto lá, saiba que que esse voto foi do Cabo Daciolo. Eu não sei por que eu estou fazendo isso. Eu sei que o criador está mandando eu falar isso para você”, disse.

A declaração ocorre um dia após o ex-ministro ter sido alvo de operação que investiga suposta fraude em licitação para obra do Castelão, em Fortaleza.

A ‘Operação Colosseum‘, deflagrada pela PF na manhã desta quarta-feira (16), cumpriu 14 mandados de busca e apreensão no Ceará e em outros três estados para apurar fraudes e corrupção, entre 2010 e 2013. Dentre eles, na casa do Ciro Gomes.

 

E a Ursal?

Nos debates das eleições em 2018, um dos episódios mais repercutidos foi o questionamento de Daciolo a Ciro Gomes sobre a Ursal  (União das Repúblicas Socialistas da América Latina) — sigla criada pela socióloga Maria Lucia Victor Barbosa para ironizar o encontro do Foro de São Paulo, em Havana, em 2001.

Na ocasião, ele disse: “O senhor é um dos fundadores do Foro de São Paulo, então o que o senhor pode falar para a população brasileira sobre o plano Ursal?”

Ciro riu e negou. “Meu estimado cabo, eu tive muito prazer de conhecê-lo hoje e pelo visto o amigo também não me conhece. Eu não sei o que é isso, não fui fundador do Foro de São Paulo e acho que está respondido”.

Ao anunciar apoio ao Ciro hoje, diz que “o Foro de São Paulo e a Ursal existem sim” e têm um propósito.

 

FONTE: DIÁRIO DO NORDESTE