Manifestantes são contra decisão que suspendeu processo criminal sobre desastre de Mariana (Foto: Reprodução/TV Globo)

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) fazem, nesta segunda-feira (14), uma manifestação em frente a um prédio da Justiça Federal, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os manifestantes carregam cruzes, que simbolizam os mortos no rompimento da barragem da Samarco, em Mariana, em novembro de 2015. Os manifestantes alegam que a Justiça atua em favor das empresas.

Em julho, o processo criminal que tornou rés 22 pessoas e as empresas Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR foi suspenso. A defesa do diretor-presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi, e do diretor-geral de operações, Kleber Terra, alegou que escutas telefônicas usadas no processo foram feitas de forma ilícita. A Polícia Federal (PF) disse que “não houve ilegalidade”.

De acordo com a assessoria do MAB, os manifestantes estavam acampados na Praça da Assembleia e fizeram uma passeata até o prédio da 12ª Vara da Justiça Federal, na Avenida Alvares Cabral. Segundo o movimento, cerca de 500 pessoas participam do protesto. Eles jogaram terra na porta do prédio e escreveram com lama o nome do juiz que suspendeu a ação e o nome das comunidades atingidas pelo desastre.

A Samarco e a Justiça Federal informaram que não vão comentar a manifestação.
Fonte: G1