O secretário estadual das Cidades, Ivo Ferreira Gomes (Pros), reagiu negativamente à notícia veiculada pelo O POVO, na edição de ontem, que aponta a deputada estadual Dra. Silvana (PMDB) como nome definido para presidir a Comissão dos Direitos Humanos e Cidadania (CDHC) da Assembleia Legislativa do Ceará. 

O irmão do ex-governador Cid Gones postou em sua página pessoal no Facebook críticas ao que chamou de “absoluto desprezo” da Casa em relação à comissão. Ivo afirma que os deputados irão entregar a área para uma parlamentar “fundamentalista e homofóbica”. O deputado licenciado disse ainda que a AL terá “um Marco Feliciano pra chamar de seu”, relembrando o período em que o deputado federal foi presidente da mesma comissão na Câmara Federal, gerando polêmica no cenário nacional.

“Eu não me acovardo”

A deputada Dra. Silvana afirmou que não se acovarda diante das críticas que tem recebido. Segundo ela, “a crítica faz parte da pessoa pública”. Em relação às declarações do ex-colega de plenário, a peemedebista lamentou o fato do secretário “não saber o que é fundamentalista”. Silvana diz que o adjetivo é um insulto que não deve ser dirigido a ela. “Achei perverso as duas palavras somadas que nada têm a ver com o meu perfil. Eu não sou uma fundamentalista religiosa, eu sou uma pessoa que tenho a minha fé”, argumentou. 

A deputada disse que o convite partiu do próprio presidente Zezinho e foi acatado pelo partido. A parlamentar, no entanto, confessa que aceitaria o comando de outra comissão desde que o presidente a desconvidasse e oferecesse outra presidência.

O POVO tentou contato com o deputado Zezinho Albuquerque, mas a assessoria informou que o presidente estava viajando. Ainda de acordo com a assessoria, as indicações para as comissões são feitas pelas bancadas dos partidos e ainda não haveria comando definido nas comissões da Assembleia.

Frases

“A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA E O PMDB PREPARAM-SE PARA REPETIR A HISTÓRIA. TERÃO UM MARCO FELICIANO PRA CHAMAR DE SEU

Ivo Gomes (Pros), secretário estadual das Cidades no governo Camilo Santana

“EU FICO TRISTE COM ESSE PRECONCEITO. PRECONCEITO É NÃO OUVIR E TENTAR CALAR. EU NÃO VOU ABRAÇAR A CULTURA DO ÓDIO”

Dra. Silvana, deputada estadual pelo PMDB e futura presidente da Comissão de Direitos Humanos

”A deputada deveria perceber que ela não se encontra no púlpito da sua igreja, mas sim compondo a bancada da AL”.

Alisson Ribeiro

“O engraçado é que se tem que aceitar a opinião do homossexual, mas eles não querem aceitar a dos cristãos”.

Bruna Rafaelly

“Tem religioso que tenta inserir os dogmas da sua religião na sociedade por meio da politica, já não basta a corrupção, a burocracia e vem mais um ‘mal’ para o povo”.

Ricardo Rocha

”Ela tem o direito de expressar sua opinião religiosa. Qualquer outra pessoa de outra religião poderia estar na mesma posição”. 

Benjamin Silva 

 

 

Fonte: O Povo