(Foto: Reprodução)

Um atraso na fala do filho mesmo antes dos 2 anos foi o sinal de alerta para a professora Viviane Guimarães. Ela conta que sabia que alguma coisa não estava indo bem com o desenvolvimento do pequeno Caio. Ela procurou ajuda médica e iniciou as intervenções precocemente, para estimular o filho. O diagnóstico só veio aos 13 anos. Por isso, Viviane destaca que é muito importante a família procurar ajuda de um profissional se notar qualquer atraso ou mudança no comportamento dos filhos.

E agora, as famílias com crianças que se enquadram no transtorno do espectro autista estão mais respaldadas. É que a ANS – Agência Nacional de Saúde ampliou as regras de cobertura para os casos de transtornos globais do desenvolvimento, que inclui o transtorno de espectro autista e outras doenças como psicose infantil e síndrome de Rett. Com a nova determinação, os planos de saúde são obrigados a dar cobertura a qualquer método ou terapia prescrita pelo médico para tratar essas doenças.

Viviane Guimarães, mãe do Caio, considera que essa é uma grande vitória para as famílias e crianças que têm esses transtornos.

De acordo com a Associação de Amigos do Autismo, o diagnóstico desse distúrbio é essencialmente clínico. Deve ser realizado por meio de observação direta do comportamento do paciente e de uma entrevista com os pais ou cuidadores. Os sintomas característicos estão sempre presentes antes dos 3 anos de idade, com um diagnóstico possível por volta dos 18 meses. Normalmente os pais começam a se preocupar a partir de 1 ano de vida, quando a linguagem não se desenvolve.

Fonte: Agência Brasil